Em 30 anos, todos os corais do mundo terão desaparecido. E a culpa é nossa.

Se você acha que o título dessa matéria é alarmista, pense de novo: nos últimos 30 anos, o planeta perdeu 50% das suas formações de corais. A temperatura dos oceanos tem aumentado consideravelmente, acima de 2 graus celsius, o suficiente para causar fenômenos de extinção em massa – branqueamentos – dos corais, como os que aconteceram em 2015, 2010 e 1998. Só no último ano, a Grande Barreira de Corais na Austrália – a maior formação do planeta – perdeu de 30% a 50% de sua área. Só em 2016. Nesse ritmo, os cientistas afirmam que, nos próximos 30 anos, mais de 90% dos corais do mundo podem ter desaparecido, causando um colapso ambiental sem precedentes. Além de influenciar direta ou indiretamente na vida de 1 bilhão de pessoas no planeta, por dependência alimentar e econômica, os corais representam cerca de 25% da vida marinha no Oceano e são fundamentais para o equilíbrio de todo o ecossistema global.

A principal causa dessa catástrofe é o aquecimento global, sobretudo causado pela emissão de gases responsáveis pelo efeito estufa. O Oceano absorve nada menos que 93% do calor na atmosfera – e, portanto, são os primeiros a indicar o nível da ameaça. Com psicopatas mimados no poder como Donald Trump, sem dúvida a figura mais patética e perigosa do mundo hoje, que recentemente anulou todos os compromissos assumidos pelos Estados Unidos no Acordo de Paris, um pacto firmado por 195 nações para reduzir a emissão de gases e o aquecimento global, as metas tornam-se muito mais improváveis de serem alcançadas.

A lama tóxica da Samarco atinge diretamente a costa do Espírito Santo, a foz do Rio Doce e o Banco de Abrolhos, a área de maior biodiversidade marinha do Atlântico Sul, que tem esse status por ser uma área de transição entre os ambientes subtropicais, ao Sul, e os tipicamente tropicais, ao Norte, o que permite a convivência de espécies dos dois extremos, aumentando a biodiversidade.

Boa parte dos problemas mundiais enfrentado pelos corais são mostrados no ótimo documentário “Chasing Coral” (“Em Busca dos Corais”, disponível no Netflix), que faz um belo apanhado científico das últimas décadas e mostra em detalhes a destruição e branqueamento dos corais em todas as partes do Globo. Extremamente recomendado, publico abaixo alguns infográficos do projeto que exemplificam bem a questão:

Outros infográficos relevantes:

Você pode compartilhar esse post para conscientizar outras pessoas e também organizar uma exibição do documentário com seus amigos ou na sua escola, empresa, cidade, etc.

 Saiba mais.

Maurício Angelo

Jornalista investigativo especializado em política, Amazônia, mineração, conflitos socioambientais, povos indígenas e direitos humanos.

One thought to “Em 30 anos, todos os corais do mundo terão desaparecido. E a culpa é nossa.”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *