Vale tem 33 barragens sem estabilidade garantida no Brasil

O resultado do último levantamento exigido pela Agência Nacional de Mineração revela que a Vale tem 33 barragens sem estabilidade garantida no Brasil. Se incluirmos as 3 barragens da MBR Mineração que consta na lista, empresa controlada pela Vale, são 36 do total de 45 barragens em risco no Brasil.

Minas Gerais é o estado que tem quase a totalidade dessas barragens críticas, com 42 das 45. As outras três ficam no Amapá, Pará e Rio Grande do Sul. Entre as barragens da Vale está o caso de Barão de Cocais, cidade em MG onde a população foi expulsa de suas casas há mais de 1 ano e que vive sob o risco permanente de rompimento.

A entrega da Declaração de Condição de Estabilidade (DCE) é obrigatória e deve ocorrer duas vezes no ano: nos meses de março (01 a 31/03) e setembro (01 a 30/09).

Na primeira etapa, quem declara a DCE e atesta a estabilidade é o empreendedor. Ele tem a opção de fazer na própria empresa ou contratar uma consultoria externa. Já na segunda entrega, a empresa é obrigada a contratar uma consultoria externa. Quando a empresa não entrega a DCE, o sistema gera automaticamente uma multa e a barragem é interditada.

No caso de Brumadinho, a barragem que se rompeu tinha a “estabilidade garantida” e as investigações relevaram uma relação de pressão e influência direta entre a Vale e a empresa alemã TÜV SÜD, que mantinha dois contratos com a Vale.

Ou seja: o contexto geral é bastante crítico e não há nenhuma garantia que mesmo as barragens consideradas “estáveis” sejam realmente seguras.

Outro levantamento, da Agência Nacional de Águas (ANA), mostrou que o Brasil registrou aumento de 129% no número de barragens em funcionamento no país consideradas críticas.

Enquanto isso, a indústria da mineração mundial tenta seguir novas normas para a segurança de barragens, mas falha em cumprir com requisitos mínimos esperados.

Confira nosso novo vídeo no You Tube.

Veja a lista geral das barragens sem estabilidade garantida:

AJUDE A MANTER ESTE OBSERVATÓRIO

O Observatório da Mineração precisa do apoio dos nossos leitores para continuar investigando o que o setor mineral não quer que a sociedade saiba. E para seguir oferecendo acesso livre ao nosso conteúdo.

Hoje, as publicações do Observatório da Mineração podem ser lidas por qualquer pessoa, sem paywall (restrição de acesso), propaganda, banners, poluição visual e links intrusivos. Queremos continuar assim.

É possível apoiar de duas formas. No PayPal, faça uma assinatura recorrente: você contribui todo mês com um valor definido no seu cartão de crédito ou débito. É a melhor forma de apoiar o Observatório da Mineração. E você também pode fazer uma contribuição no valor que desejar via PIX, para o email: apoie@observatoriodamineracao.com.br (conta da Associação Reverbera).

Siga o site nas redes sociais (Twitter, Youtube, Instagram, Facebook e LinkedIn) e compartilhe o conteúdo com os seus amigos!

E buscamos novos parceiros e financiadores, desde que alinhados com o nosso propósito, histórico e perfil. Leia mais sobre o impacto alcançado até hoje pelo Observatório, as aulas que ministramos e entre em contato.

Sobre o autor

2 Replies to “Vale tem 33 barragens sem estabilidade garantida no Brasil”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.